Además de las Posibilidades – Capítulo 6 – “Corazón Confundido”

Corazón Confundido

O domingo foi cansativo, porém muito gratificante. Era o único dia em que me atrevia a dormir até mais tarde. Acordei no susto com o toque do telefone. Era ligação de Rafael para saber se eu estava pronto para o compromisso que tínhamos com uma empresa de cosméticos. Mas é claro que eu havia me esquecido completamente.

– Rafael, por que não me lembrou disso ontem?

– Julian, eu te falei. Assim que saímos da Televisa, você não lembra?

– Mas você tinha que ter me falado depois que saímos do estúdio. Tudo bem, vou correr aqui para me arrumar.

O almoço era para apresentar a ideia de uma propaganda de um de seus perfumes e tínhamos menos de uma hora para chegarmos ao restaurante. Acordei Samantha, que ficou aborrecida com os poucos minutos que teria para se arrumar, todavia, por sorte, conseguimos chegar a tempo. Eu não suporto atrasos! Ainda mais se tratando de um almoço de negócios.

Rafael nos acompanhou e foi incumbido de me dar o comunicado por parte da empresa. Eles não só me queriam no comercial como lançariam um perfume com o meu nome e seria eu quem escolheria a fragrância. Eles criaram amostras para eu testá-las durante uma semana. A empresa tinha interesse que fosse característico meu e supervisionado por mim. Confesso que fiquei deslumbrado com a ideia. Eu acreditava no meu potencial e nos meus sonhos, porém nunca havia imaginado chegar a esse ponto na minha carreira.

À noite fomos jantar na casa dos pais de minha namorada, como estava combinado.  Queria que, da mesma forma que eu tinha liberdade de ir à casa dos meus sogros, Samantha fosse recebida também na casa dos meus pais. No entanto, era extremamente difícil a convivência. O México jogava contra o Brasil no amistoso, antes da Copa América. Sr. Ramiro gosta tanto de futebol quanto eu, e mais uma vez, não pude deixar de pensar no meu pai. Como eu sentia falta de conversar com ele!

Tomamos algumas bebidas enquanto assistimos ao jogo. Dona Vera ficou sentada ao lado de Samantha. As duas não gostavam muito de futebol, todavia quando se tratava de jogo da seleção, elas se esforçavam. Apesar das cobranças do meu sogro quanto ao noivado, a noite estava agradável. Até que, para minha infelicidade, percebi que estava sentado bem de frente para a minha sogra.  Sentia-me um pouco incomodado com a situação.

Preciso confidenciar: ela não é o tipo de sogra comum. Sei bem de quem Samantha herdou tanta beleza. Apesar dos olhos de Dona Vera não serem azuis como os de Samantha, seu olhar é muito semelhante. Samantha tem o rosto mais angelical, acredito que pela idade, porém Dona Vera indiscutivelmente está muito bem conservada. Engravidou aos 19 anos e me pergunto: se hoje ela está assim, como será que era há 23 anos? Eu não gosto nem de me pegar com os pensamentos na minha sogra, mas é inevitável, ainda mais com ela a olhar-me fixamente durante toda a noite. Sem contar nas roupas que costuma usar. Definitivamente, ela havia extrapolado no decote, além da saia longa com o lascado que ia quase até a cintura do lado direito. Eu sei que reparei muito em sua roupa, contudo é realmente difícil como homem estar em uma situação assim. Ela sentou-se de lado, o que fez com que toda a perna ficasse em evidência. Eu repetia para mim mesmo durante toda a partida: “Julian, foca na bola”. “Julian, olha o futebol.” Espero que não me julguem por isso, mas de fato foi difícil não reparar.

No dia da festa de inauguração da novela em que conheci Samantha, eu conversava com o Senhor Ramiro, quando sua filha se aproximou. Fomos apresentados e começamos a conversar, fiquei admirado com tanto beleza e me encantei à primeira vista. Ele solicitou à filha que o acompanhasse para conhecer o diretor e, logo após eles terem saído, Dona Vera se aproximou. Eu jamais imaginaria que ela seria sua esposa! Estava em uma fase da minha vida em que nenhuma mulher passava despercebida e ela, irrevogavelmente não passaria despercebida por ninguém. Entretanto, eu não precisei dizer nada, muito pelo contrário, ela insinuou-se para mim. Por sorte, a imagem de Samantha ainda estava em minha mente e eu nada fiz naqueles minutos que conversamos.  Felizmente os dois retornaram a tempo. Quando meu sogro a abraçou e beijou, eu fiquei estagnado, totalmente sem reação. Até hoje, nunca tive coragem de contar isso a Samantha, assim como ela nunca comentou nada duvidoso sobre o comportamento de sua mãe, mesmo sendo tão nítida a forma que ela me encarava. Sem contar as inúmeras vezes que fingiu me tratar como filho para me abraçar ou me acariciar. Será que só eu conseguia enxergar essas coisas, ou eles simplesmente ignoravam? Sempre que me lembro disso, agradeço a Deus por não termos tido nenhuma espécie de envolvimento em cena. Já foi difícil fugir dela durante os gravações, imagina se tivéssemos contracenado juntos.

O placar final não foi nada atraente. Perdemos de 2×1, porém pela primeira vez eu estava ansioso para que jogo terminasse logo e não me importava muito com o resultado. Pedi a Samantha que fôssemos embora, pois as gravações no estúdio seriam iniciadas no dia seguinte e precisava acordar cedo. Geralmente, antes do início das gravações, um evento interno era realizado para que conhecêssemos os nossos futuros colegas de trabalho. No entanto, como Edgar não é muito de seguir protocolo, marcou o evento para a semana seguinte. Ou seja, iria conhecer a equipe durante as gravações, assim como foi com Pietra.

Despedimo-nos do casal e me deu aflição o atrevimento de Dona Vera. Ao me abraçar senti sua mão apertar firmemente uma de minhas nádegas. Minha reação de espanto a fez sorrir e cinicamente fingir que nada aconteceu. Como ninguém viu aquilo? Ela precisava parar, já tinha passado dos limites, mas eu não tinha como falar nada ali e ela sabia bem disso. Retornamos para casa e Samantha logo pegou no sono. Já eu, fiquei a remexer-me na cama sem conseguir fechar os olhos. Eu precisava pensar em como iria resolver essa situação. Tinha que falar com a Dona Vera. Não estavam certas suas atitudes e eu me sentia culpado por esconder esses ocorridos de minha namorada.


Eu comecei a sentir o peso da correria da minha semana. O projeto do DVD tomava quase todas as minhas noites. Eu dormia tarde e acordava muito cedo. As gravações estavam a todo vapor também, todavia não era isso que fazia eu me sentir tão cansado. Antes de Samantha, minha vida era tão agitada quanto e eu não me sentia assim. Estava exausto, porém era o cansaço mental que me sufocava. Ela percebia isso, entretanto parecia não se importar. Mesmo eu fazendo questão de mostrar que todo aquele ciúme possessivo me sufocava. Chegou a implicar até com a minha cabeleireira na emissora, uma jovem senhora muito atenciosa, a qual sempre me tratou como um filho, porém Samantha sempre via as coisas com malícia e trazia o meu passado mulherengo à tona. Eu estava confuso sobre meus sentimentos, mas com essas lembranças do meu passado eu dava certa razão a ela. Talvez noivando ela diminuísse o ciúme e quem sabe assim Dona Vera cessasse com seus abusos. Acho que Samantha precisava de uma certeza maior sobre o nosso futuro, precisava confirmar os meus sentimentos. Mas qual era o sentimento real, afinal? Essa pergunta não saía da minha mente e me fazia refletir se realmente a amava ou se estava apenas acostumado com a situação. Tê-la como namorada era o desejo de milhares de homens, muitos gostariam de estar no meu lugar. Ela se doava quase vinte e quatro horas por dia para estar ao meu lado. Portanto era isso que atrapalhava o nosso namoro, ou será que faltava essa atitude de minha parte? Talvez eu devesse retribuir mais.

Eu sempre me mantive na linha, nunca a traí, compartilhei todo o meu passado com ela, convicto de que assim ela teria mais confiança em mim, pela honestidade. Abri mão de muitas coisas para fazê-la feliz. O que eu não gostava era de todo aquele sentimento de posse. Às vezes eu dava certa razão ao Heitor. Eu não tinha mais vida social e minha vida se baseava nos desejos dela. Nossas brigas eram constantes e dramáticas, brigávamos por motivos inúteis, insignificantes. Com frequência ela dizia que alguma mulher estava a se insinuar para mim. Quem realmente se oferecia ela não percebia. Samantha chorava em quase todas as discussões e dizia me amar muito. Mesmo com a certeza de que estava coberto de razão, eu sempre cedia, queria fazê-la feliz e vê-la chorar partia meu coração. No final fazíamos amor e tudo se resolvia, ou ao menos parecia se resolver.

A semana passou rápido demais. Já era quinta feira e estava preocupado com a quantidade de cenas que precisaria gravar no dia seguinte. Enquanto Samantha dormia, estudei o texto na sala. Para minha surpresa, descobri que teria minha primeira cena de beijo na trama, a qual não seria com a Pietra e sim com uma atriz que faria uma participação especial. Daniel Hernandez, o meu personagem, conseguiria um emprego em um grande escritório e, no momento em que se concentrava no trabalho, seria surpreendido pela filha do seu chefe. Ela iria provocá-lo e beijá-lo e ele tentaria conter os ânimos, contudo ela se jogaria em cima dele e o empurraria para cima da mesa. Então ele se descontrolaria invertendo a situação ao colocá-la sentada sobre a mesa, à medida que a beijava intensamente. Os dois seriam surpreendidos com a chegada do pai da moça, que imediatamente o demitiria, pois teria a impressão de que ele quem havia iniciado o curto affair. Ou seja, a oportunidade de Daniel indo à ruína em menos de dois dias empregado.

Ao terminar de ler a cena, verifiquei em outra folha o nome da atriz que iria contracenar comigo. Ao ler o nome Pâmella do Valle já soube o tamanho da encrenca que acabara de me meter.  Antes de conhecer Samantha, Heitor me apresentou a Pâmella em uma premiação e saímos algumas vezes. Nada muito sério. Logo depois, conheci minha namorada e mudei de vida, por mais que ela não acreditasse nisso.

Mais uma noite conturbada para mim. Fui deitar com a mente voltada em achar uma maneira de contar a ela sobre a cena com a atriz. Samantha conhecia minha história com boa parte das mulheres com as quais me envolvi e sua memória sempre foi excelente. Eu precisava contar, ela saberia de qualquer forma e, pelo horário da cena, provavelmente já estaria no estúdio acompanhando as gravações. Entretanto, a coragem não vinha e se for para ouvir suas reclamações, melhor que ouvisse por menos horas possível.

Capítulo 7


Créditos:

WhatsApp Image 2020-05-07 at 2.56.37 AM
Debora Page

Texto: Debora Page – @escritora_deborapage

Edição: Juliana Peterson – @julianapeterson22

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s