Entrevista com o Monge Dom Lorenzzo

Ex – participante do maior reality show de confeiteiros amadores do Brasil acabou de dar uma entrevista ao meu blog. Aqui ele conta sua trajetória no meio religioso e culinário.

 

1517578769-29-0013-9049_1517578769573-441210-Dom_Lourenzzo

 

Emerson: Como seu  trabalho religioso começou?

Douglas: Minha vocação se deu desde muito cedo, eu me encantava pela manhã com o tocar dos sinos aos domingos que me faziam acordar às 6h30 e ir à missa, achava lindo aquele lugar cheio de gente cantando com o tempo fui me envolvendo em grupos e pastorais.

Emerson: Sua família aceitou sua escolha?

Douglas: Para minha família nunca foi problema, eles sentiram minha falta durante um período inicial, mas depois tudo ficou bem.

Emerson: Como funciona a seleção pra se tornar um monge ou padre. E quais as regras mais comuns?

Douglas: Não existe uma seleção, a vida religiosa demanda de vocação é preciso querer, desejar e compreender o chamado de Deus ao Homem. A regra mais comum é viver em comunidade, e depois os votos de obediência, pobreza e castidade.

Emerson: Qual a diferença de um monge e um padre?

Douglas: O monge tem um estilo de vida geralmente mais calmo, leva uma vida mais de introspecção, a maioria vive em Mosteiros na clausura e vivem segundo a espiritualidade deixada por um fundador sobre os cuidados de seu abade. O Monge também pode ser padre. No final todos estão a serviço do mesmo chefe (Risos).

Emerson: Como surgiu seu amor pela confeitaria?

Douglas: Sou neto e sobrinho de padeiros, IMG_20180320_161227venho de uma linhagem de grandes cozinheiros e cozinheiras, então estive sempre envolvido entre ovos e Farinha (Risos). Apesar da minha formação em filosofia, teologia, psicologia de alguma maneira transfere esse conhecimento do Divino e do humano, em minhas criações.

Emerson: Porque participar de um programa culinário?

Douglas: A intenção de participar do programa foi para mostrar que não existe diferença entre aqueles que foram criados por Deus. Podemos trabalhar, cantar, brincar, e muito mais ainda, essa participação dar visibilidade a trabalhos e projetos sociais aos qual sou envolvido.

IMG_20180320_161142Emerson: Você já se imaginava como um confeiteiro?

Douglas: Costumo dizer que não sou Chef e não sou cozinheiro, sou apenas o Monge. E a de se respeitar que a gastronomia conventual tem grande influência em nossa cultura. São grandes receitas e sabores escondidos entre as paredes dos conventos (Risos).

Emerson: Você já pensou em desistir da responsabilidade que tem na igreja para seguir seu sonho como confeiteiro?

Douglas: Não é preciso desistir. Consigo exercer minhas atividades uma completa a outra, Evangelizar através de ações concretas. Através dessa atividade consigo tirar pessoas de situação de miséria, de fome, capacitando através de coisas simples como fazer um bolo ou uma geleia.

IMG_20180320_161109Emerson: Quais as dificuldades de se dividir entre a religião e a paixão pela cozinha?

Douglas: Nenhuma faço todos os dias. Pra mim a gastronomia é um complemento base para me manter na prática da fé. Não recebo salário para ser Monge, então essas práticas auxiliam no dia a dia, permite que eu possa ajudar quem necessita de ajuda.

Emerson: Você já sofreu preconceito pelo fato de um monge ser confeiteiro?

Douglas: Nenhum sou muito bem recebido onde quer que eu vá, as pessoas aceitam bem, o Monge é gente da gente.

Emerson: Quais habilidades você desenvolveu com o decorrer do reality?

Douglas: A ser mais criterioso, e a respeitar minhas convicções (Risos).

Emerson: Quais projetos você pretende realizar futuramente?

Douglas: Estamos trabalhando para levar os Produtos da GulaDoMonge, a princípio em São Paulo de início a linha de Pães Artesanais. Depois entraremos com as geleias e compotas. Depois tentaremos levar a outras localidades.

Emerson: Quais profissionais te inspiram?

Douglas: (Risos) monges do passado. São muitos, cresci assistindo Álvaro Luiz, Luzinete Veiga, cozinha maravilhosa da Ofélia, muito respeito por todos eles mas hoje temos Beltrame e Diego Lozano que foram uma explosão de talentos.

Emerson: (Risos) Que tipo de legado você pretende deixar para seus fãs?

Douglas: Acredito que o respeito mútuo pelas escolhas e a maneira de ser de cada um. Deixar claro, que somos capazes de tudo, tudo está em nós, Dedicação e respeito.

Emerson: Bom finalizamos. Obrigado pelo tempo que foi dado a esta entrevista.

Douglas: Obrigado meu querido, muito sucesso sempre.

 

IMG_20180320_161205

Um comentário em “Entrevista com o Monge Dom Lorenzzo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s